Close
Tudo que aconteceu no movimento feminista em 2017

Tudo que aconteceu no movimento feminista em 2017

Em nossa retrospectiva é claro que não podíamos deixar de falar sobre “Feminismo” e o quanto esse movimento ganhou força. Diante de tantos anos de luta, com palavras, campanhas, marchas e outras diversas ações, 2017 conseguiu quebrar barreiras e alavancar as vozes femininas a denunciarem violências voltadas às mulheres.

Em janeiro desse ano vários jornais já afirmavam que esse seria considerado “Um ano feminista”, já que em 2016 conseguimos fazer com que a sociedade voltasse os olhos para a violência contra a mulher, legalização do aborto e a retirada de Dilma da Presidência e seu vice assumisse. Foi então, que nos deparamos com a retirada de todas as mulheres que faziam parte do governo, para assumir o que podemos considerar “Todos os homens de Michel Temer” – um ministério de apenas homens.

Foto: Portal Fórum

Ainda no começo do ano as “Marchas das Mulheres” levaram dois milhões às ruas nos Estados Unidos, exaltando suas vozes contra o Presidente Donald Trump. Em seu primeiro dia na Casa Branca, o presidente ouviu as reivindicações que pediam respeito, não apenas as mulheres, mas para todas raças e gêneros. As polêmicas voltadas ao Trump não pararam, sua assessora Kellyanne Conway, durante uma conferência que ocorreu em Maryland, afirmou que não se identificava como feminista, na sua definição o feminismo clássico parecia ser muito anti-homens e pró-aborto e fazia parte de um feminismo individual, na qual temos a opção de fazer as nossas escolhas.

Após a Marcha das Mulheres a convocação para o Dia Internacional das Mulheres começou. Pelo menos 30 países organizaram uma greve “contra a violência masculina e pela defesa dos direitos reprodutivos”. No mês da mulher, várias ruas de diferentes países foram lotadas por mulheres que buscavam os mesmos desejos, além de respeito o fim da violência contra à mulher.

Na última semana de abril, estreou The Handmaid’s Tale, considerada mais tarde a série do ano. Ela tornou-se um sucesso depois de seu lançamento, baseado em um livro da escritora Margaret Atwood. O longa traz a discussão sobre igualdade de gênero, diante de uma sociedade teocrática militar que retira das mulheres os direitos financeiros, políticos e sociais. Ou seja, é uma resposta as ações contra o feminismo e procura rebater a parte mais conservadora. A autora procurou trazer fatos históricos para contextualizar a sua narrativa com os enforcamentos em praça pública, estupro, gravidez, humilhação.

Faltando apenas um mês para as férias, junho chegou trazendo com ele o filme Mulher Maravilha, com Gal Gadot como Diana. O filme despertou a história da grande heroína e a sua representatividade feminista na sociedade.

#MeeToo
surgiu há mais ou menos 10 anos atrás por causa da Ativista Tarana Burke, mas em Novembro desse ano, a junção das duas palavras ganhou mais um significado. Depois de uma série de denúncias feitas por mais de 40 atrizes de Hollywood contra o produtor Harvey Weinstein, devido a abusos e violências sexuais, a atriz Alyssa Milano, uma de suas vítimas, convocou no twitter mulheres para que usassem a hashtag #MeeToo para dar apoio às vítimas do produtor e também para alertar, caso alguma já tivesse passado por alguma situação semelhante, tanto assédio como qualquer outra violência.

E para fechar 2017, o dicionário americano elegeu Feminismo como a palavra do ano. Tendo em vista que tudo o que citamos até agora que aconteceu durante esses doze meses, fizeram com que o Dicionário da editora Merriam-Webster’s escolhesse a palavra devido o grande número de procura e definido como “A teoria da igualdade política, econômica e social entre sexos ou atividade organizada em prol dos direitos e interesses das mulheres”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close